Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/12/13 às 18h18 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Saúde atende paciente em regime domiciliar dentro de presídio

COMPARTILHAR

Serviço é inédito atende determinação da justiça


Desde a última semana, a Secretaria de Saúde passou a oferecer uma nova modalidade de atendimento. O serviço inédito beneficia um detendo da Ala de Tratamento Psiquiátrico, mais conhecido como Colméia, no Gama, que necessita de tratamento com oxigênio.

O presidiário CLMN, de 45 anos, tem doença obstrutiva pulmonar crônica (DPOC), além de insuficiência cardíaca, diabetes e hipertensão e necessita de tratamento com oxigênio. A oxigenioterapia deveria ser feita em casa, conforme determinação judicial, mas com a recusa da família em receber o paciente, a Secretaria de Saúde teve que assumir a responsabilidade pela atenção ao paciente dentro do presídio.

Para atender a determinação da justiça, que considerou o presídio o domicílio do paciente, o Programa de Saúde Prisional e a Gerência de Atenção Domiciliar da SES estabeleceram parceria com a direção do presídio. “Houve a necessidade de promover algumas adaptações na cela para que o paciente pudesse receber o tratamento indicado”, informa a gerente de Atenção Domiciliar da SES, Maria Leopoldina de Castro Villas Bôas.

A gerente ressalta que a iniciativa é um fato inédito no país. “É a primeira vez que se oferece tratamento domiciliar dentro de um presídio”, disse. Segundo ela, a medida chamou a atenção do Ministério da Saúde, que está acompanhando a situação com interesse e pode ser utilizada em outros estados.

A oxigenioterapia domiciliar é oferecida pela SES desde 2006. Atualmente 575 pacientes com problemas pulmonares são submetidos ao tratamento em suas próprias residências. “Esse tipo de assistência é essencial pois libera leitos hospitalares e proporciona mais conforto e qualidade de vida ao paciente”, frisa Leopoldina.

O tratamento consiste no fornecimento que um equipamento de oxigênio que pode ser utilizado 24 horas pelo paciente. “Minha vida melhorou 100% depois que recebi o aparelho. Já não me sinto tão cansado e consigo dormir melhor”, afirma CLMN.

A equipe de Saúde Prisional da ala de tratamento psiquiátrico, formada por um médico, dois enfermeiros, uma assistente social, uma psicóloga, duas terapeutas ocupacionais e três técnicos de enfermagem, faz o acompanhamento do paciente e dá toda a assistência em casos de necessidade. No local estão cumprindo medida de segurança 92 homens e seis mulheres.

O Presidio Feminino DF destina-se ao recolhimento de mulheres sentenciadas ao cumprimento de pena privativa de liberdade, nos regimes semi-aberto e fechado, bem como de presas provisórias, que aguardam julgamento pelo Poder Judiciário. A referida Penitenciária faz a custódia também de internos, tanto de mulheres, quanto de homens, submetidos à medida de segurança, sendo que o interno homem são recolhidos na Ala de Tratamento Psiquiátrico.

Por Celi Gomes, da Agência Saúde DF
Atendimento à imprensa:
(61)3348-2547/2539 e 9862-9226

Leia também...