Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/02/18 às 17h11 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Saúde capacita gestores para reestruturar atenção secundária

COMPARTILHAR

Organização da rede garantirá melhor retaguarda para a atenção primária

BRASÍLIA (2/2/2018) – A Secretaria de Saúde dá mais um passo rumo à reestruturação da rede de serviços. A pasta encerrou, nesta sexta-feira (2), a capacitação de profissionais que atuarão na organização da atenção secundária ambulatorial. Esse setor é responsável por atender os casos de média complexidade – encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde – para receber assistência complementar de especialistas focais como neurologistas, pediatras, endocrinologistas e ginecologistas.

O secretário de Saúde, Humberto Fonseca, destacou que esta é a primeira vez que a atenção secundária será organizada. A nova estrutura está em análise pela Governadoria e deve ser publicada neste mês, criando, assim, as Diretorias de Atenção Secundária, semelhantes às Diretorias de Atenção Primária, que coordenarão os serviços.

“Esse nível de atenção nunca foi organizado e vamos fazer isso pela primeira vez. Elaboramos uma estrutura administrativa para esse nível secundário, que envolve os ambulatórios de especialidades para dar apoio para a atenção primária, funcionando como retaguarda para os 15% de casos que não conseguimos resolver nas unidades básicas de saúde”, explicou o gestor.

Os ambulatórios da atenção secundária funcionam com médicos especialistas focais, diferentemente da atenção primária, que conta com médicos da família, enfermeiros, técnicos e agentes de saúde. O atendimento na atenção secundária é eletivo.

Fazem parte da atenção secundária os ambulatórios especializados distribuídos pelos hospitais e unidades básicas de saúde, policlínicas, Adolescentro, Centros de Atenção Pscicossocial (Caps), Hospital Dia e centros de reabilitação. O Centro Especializado em Diabetes, Obesidade e Hipertensão (Cedoh), inaugurado em dezembro de 2017, também está na lista.

Segundo o gerente de Serviços Ambulatoriais, Bruno Guedes, há a expectativa de criação de novas policlínicas, totalizando pelos menos sete – uma para cada região de saúde.

Realizado em parceria com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), o Curso de Formação de Gestores para a Atenção Secundária Especializada foi iniciado na segunda-feira (29). O treinamento englobou assuntos como estrutura e organização da Secretaria de Saúde, profissionais de saúde e suas responsabilidades, organização da atenção primária e redes de atenção à saúde.

FOTO BAIXA 2 ENCERRAMENTO OFICINA DE FORMACAO DE GESTORES

“Estamos trabalhando desde 2016 com a Secretaria de Saúde e estamos vendo os resultados. Nós estamos motivados para continuar contribuindo com as mudanças”, frisou o diretor executivo do Conass, Jurandi Frutuoso.

ENTENDA – No novo modelo de atendimento da rede pública de saúde do DF, o paciente deve procurar prioritariamente a equipe Estratégia Saúde da Família, na Unidade Básica de Saúde. Essas estruturas, que passaram a reservar parte das consultas para quem chega sem marcação, podem solucionar até 85% das demandas dos pacientes. Algumas delas estenderam o horário de atendimento para 7h às 19h e aos sábados, das 7h ao 12h.

Quando o quadro clínico do paciente necessitar de assistência complementar, será a equipe Saúde da Família responsável por encaminhá-lo via sistema de regulação para o serviço necessário para tratar a respectiva patologia. Assim, não será preciso que os pacientes migrem entre as diversas unidades de saúde, pois ele será orientado para onde ir.

Ao chegar à atenção secundária, os pacientes serão avaliados por médicos especializados em determinadas patologias ou partes do corpo, que poderão fazer avaliações mais específicas e detalhadas.

“O paciente vai para a atenção especializada ambulatorial quando apresenta um nível de adoecimento que não pode ser suprido pela Estratégia Saúde da Família. A ideia é que ele faça sua consulta para receber o apoio de profissionais especialistas e retorne para a atenção primária”, explica a subsecretária de Atenção Integral à Saúde, Martha Vieira.