Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/04/14 às 19h14 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Santa Maria inaugura Sala de Amamentação para trabalhadoras

COMPARTILHAR

Ambiente destinado às mães trabalhadoras do Hospital Regional

 

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF) inaugurou nesta sexta-feira (25), a Sala de Apoio à Amamentação no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM). As mães trabalhadoras terão um espaço adequado para fazer a extração do leite materno durante o expediente, além de proporcionar acondicionamento e preservação do leite coletado para dar continuidade à alimentação do bebê. A nova sala também recebeu a certificação do Ministério da Saúde (MS) em reconhecimento como o local que promove e apoia o aleitamento materno para mulher trabalhadora.

A nova sala visa dar suporte às servidoras efetivas e funcionárias terceirizadas do hospital. O HRSM possui 2.005 trabalhadoras. Desse total, 1.858 estão em idade fértil, ou seja, de 16 a 49 anos. “É um público muito grande que merece o nosso respeito. Atualmente no HRSM, 72 mulheres estão de licença maternidade. Quando retornarem, precisarão desse apoio, desse local para retirar, armazenar o leite e levá-lo para casa”, afirmou a coordenadora dos Bancos de Leite Humano e Aleitamento Materno da Secretaria de Saúde do DF (SES/DF), Miriam Santos. Segundo ela, essa é a primeira sala localizada num hospital da rede pública de saúde do DF com característica de apoio à mulher trabalhadora que amamenta.

Segundo a coordenadora de Aleitamento Materno do MS, Fernanda Monteiro, o armazenamento de leite materno é necessário para que o bebê continue sendo amamentado com o alimento correto. “Ao retornar ao trabalho, a mãe também necessita de dar continuidade à retirada de leite, pois se ela ficar muito tempo sem estimular a glândula mamária, a produção pode diminuir. Ela não pode, por exemplo, ficar oito horas do dia sem tirar o leite, deixando a mama encher e só quando retornar à casa oferecer o peito para a criança ou ordenhar. Ela precisa ter uma frequência maior de retirada de leite”, explicou. Fernanda disse ainda que a Sala de Apoio à Amamentação não é uma sala aberta ao público. “Justamente para garantir a preservação do leite. Trata-se de um local destinado à trabalhadora que esteja em sua jornada”, complementou.

Izabela Albuquerque trabalha como vigilante há quase três anos no HRSM e retornou de licença maternidade em setembro de 2013. “É importante ter esse espaço. A mãe quando volta a trabalhar fica muito apreensiva, porque precisa de um local adequado para armazenar o leite e levá-lo para o seu próprio filho em casa”, disse.

Assim como Izabela, a vigilante Cleandra Moraes aprova a inauguração da nova sala. “Ao retornar da licença maternidade em janeiro desse ano, utilizava uma sala da UTI Neonatal, que as mães internadas no HRSM fazem uso. Com esse novo ambiente teremos um lugar próprio para nós, trabalhadoras. Vou frequentar esse espaço”, comentou.

Desde 2011, a Coordenação de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano da SES/DF presta consultoria para a criação de salas de apoio à amamentação em empresas privadas e órgãos públicos do DF. São ambientes destinados à coleta e estocagem de leite materno durante o expediente, a fim de manter a produção do leite, conforme a recomendação da SES/DF, em consonância com o MS e a Organização Mundial de Saúde (OMS) para que a criança seja amamentada até dois anos ou mais, além da complementação alimentar saudável.

Essa é uma estratégia do MS que consiste em criar na iniciativa privada e em órgãos públicos uma cultura de respeito e apoio à amamentação como forma de promover a saúde da mulher trabalhadora e do bebê. Com a abertura no HRSM, o DF conta outros seis locais que possuem sala de apoio à amamentação, como a do Palácio do Buriti, a do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) e mais quatro no Governo Federal.

Por Patrícia Kavamoto, da Agência Saúde DF