Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/01/13 às 16h18 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Sete pacientes já recebem tratamento de UTI em casa

COMPARTILHAR

Internação Domiciliar de Alta Complexidade e humanização no atendimento

Sete pacientes já foram transferidos para tratamento domiciliar de alta complexidade desde que a Secretaria de Saúde implantou o serviço de Home Care, no início de novembro. Ao todo, 40 pacientes crônicos serão transferidos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de vários hospitais para suas residências, numa iniciativa pioneira no setor publico. “A ação faz parte de um planejamento para ampliar o número de leitos de UTI”, informa o secretário de Saúde Rafael Barbosa.

Dos sete pacientes beneficiados, três são da Ceilândia, um de Santa Maria, um do Paranoá, um de Brazlândia e outro do Varjão. “O número está dentro do esperado, visto que as remoções são programadas e também dependem das condições da residência”, informa o gerente de Assistência Intensiva da SES, Rubens Antônio Bento Ribeiro. “Esperamos atingir a meta de 40 pacientes internados o quanto antes”, diz.

Segundo o gerente de Assistência Intensiva, o serviço de Home Care traz várias vantagens. “Os pacientes transferidos recebem o mesmo nível de assistência oferecida dentro das unidades hospitalares, porém com o conforto do lar, a segurança necessária aos cuidados e a humanização que deve ser dispensada à atenção a saúde”, enfatiza.

Para ser incluído no Serviço de Atenção Domiciliar de Alta Complexidade (SAD-AC) da SES, o paciente que depende de aparelho de ventilação mecânica para respirar deve ser classificado pela equipe médica como de alta complexidade. Além disso, é obrigatório que o doente more no Distrito Federal em condições adequadas às exigências necessárias à assistência domiciliar.

A Secretaria de Saúde disponibiliza todos os equipamentos, medicamentos, dietas, tratamentos, exames e recursos necessários para assistência do paciente em casa. A internação domiciliar inclui atendimento individualizado e humanizado, nas 24 horas do dia. “O atendimento abrange desde casos simples, como curativos e aplicação de medicamentos, até procedimentos mais complexos como ventilação mecânica”, diz Rubens Ribeiro.

Uma equipe multidisciplinar de saúde formada por médico, enfermeiro, nutricionista e fisioterapeuta cuida do paciente. Um técnico de enfermagem permanece 24 horas por dia, sete dias por semana, junto ao paciente e é responsável pelo manuseio dos equipamentos.

A SES-DF contratou a empresa Medilar, de São Paulo, por meio de licitação, para fornecer o serviço de Home Care aos pacientes da capital federal. A iniciativa, além de favorecer as famílias e os pacientes, vai proporcionar economia aos cofres públicos. “Cada paciente internado numa UTI tem um custo médio de R$ 3 mil por dia à SES. Já a diária do serviço custa cerca de R$ 1,2 mil”.

Celi Gomes