Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/08/20 às 14h04 - Atualizado em 20/08/20 às 17h44

Sobradinho I e Sobradinho II recebem ações do Sanear Dengue

COMPARTILHAR

Ações no período da seca visam prevenir futuras infestações do mosquito

 

JOSIANE CANTERLE, DA AGÊNCIA SAÚDE DF

 

As ações para o combate ao mosquito da dengue não param. Nos dias 17 e 18 de agosto o Sanear Dengue esteve em Sobradinho I e II, atingindo um total de 1.718 imóveis inspecionados por agentes de Vigilância Ambiental e bombeiros militares. Mesmo no período de seca, foi necessário utilizar larvicida em 98 depósitos de água de um total de 5.056 depósitos encontrados durante as vistorias.

 

Foto: Divulgação

“As escolhas das cidades são através dos critérios apontados nos Boletins Epidemiológicos e das análises técnicas dos nossos Chefes de Núcleos mediante informações das Ações de Campo de novas tecnologias”, esclarece o gerente de operações da subsecretaria de Vigilância à Saúde, Reginaldo Braga.

 

No último Boletim Epidemiológico que apresenta os dados até o dia 1º de agosto, Sobradinho I aparecia com 2.147 casos de dengue, enquanto Sobradinho II registrava 2.442 ocorrências. Apesar dessas regiões administrativas não possuírem os maiores números de casos do Distrito Federal, elas estão entre as que apresentam maior incidência de casos por 100 mil habitantes.

 

No DF, já foram notificados 43.857 casos prováveis de dengue, sendo confirmados 65  graves, e 40 óbitos, dois de moradores de Sobradinho I e outros dois de Sobradinho II.

“Neste período antiepidêmico temos que intensificar as ações, principalmente em pontos estratégicos como: ferros velhos, floriculturas, oficinas, reciclagens, acumuladores e depósitos. Esses locais podem promover uma infestação em pelo menos 500 imóveis ao redor deles”, alerta o gerente.

 

A atividade também teve por objetivo a prevenção e controle do coronavírus. Foi realizada a sanitização pela equipe da Vigilância Ambiental no Centro de Referência da Assistência Social (Cras), no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), no Centro de Convivência (Cose), na Agência do trabalhador e na Inspetoria de Saúde.

 

EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

REVISÃO: JULIANA SAMPAIO