Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/08/20 às 13h23 - Atualizado em 13/08/20 às 10h44

Tecnologia ajuda no atendimento aos pacientes em tempos de pandemia e isolamento social

COMPARTILHAR

Profissionais de saúde comunicam-se, à distância, por plataformas virtuais

 

ÉRIKA BRAGANÇA, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Com a pandemia de Covid-19, alguns serviços que podem ser prestados à distância estão sendo reinventados para não desassistir à população e manter-lhes o atendimento. Gestores de unidades básicas de saúde (UBSs) têm buscado essa comunicação, por meio de plataformas virtuais, para evitar aglomerações e idas frequentes às UBSs.

 

São demandas simples, como pedidos de informações sobre os serviços que são oferecidos nas unidades, dispensação de medicamentos e horário de funcionamento das salas de vacina. Tais informações podem ser passadas on-line, por meio do aplicativo WhatsApp evitando, assim, idas desnecessárias aos serviços de saúde.

 

Grupos de Whatsapp têm m aproximado equipes de saúde da família dos pacientes atendidos por elas – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

Pensando nisso, duas unidades básicas de Brazlândia e do Recanto das Emas implantaram essa nova estratégia para que as pessoas possam tirar dúvidas e pedir informações. Além disso, as equipes da Estratégia de Saúde da Família ganharam grupos específicos para os territórios atendidos. Assim, as equipes aproximam-se ainda mais dos pacientes das áreas abrangentes.

 

Comunicação on-line

 

Em Brazlândia, a UBS 2 da Vila São José utiliza a ferramenta. O número do app é disponibilizado na entrada da unidade. Já os grupos são direcionados para as gestantes e crianças que precisam ser acompanhadas pelas equipes. Quem faz a gestão das informações é a enfermeira Ana Cristina Stabile. Os pacientes entram no grupo de acordo com a equipe das áreas de residência e fornecem nome completo, data de nascimento, idade, endereço e telefone.

 

Ao final do dia, a profissional encaminha as demandas para cada equipe e os profissionais  organizam-se para dar o retorno ou fazer o agendamento da consulta ou visita domiciliar, quando necessário. Além disso, encaminha materiais e vídeos com informações importantes. Em complemento à estratégia do WhatsApp, foi disponibilizada uma página no Facebook com grupos que comporta mais pessoas.

 

“Pensamos em algo que pudesse estar próximo dos pacientes em meio a essa pandemia e a recomendação de evitar a UBS. No entanto, tinha muitas informações que eles vinham pegar pessoalmente, agora, passamos pelo aplicativo. São informações importantes sobre consultas presenciais, vacinas e marcações da regulação, por exemplo. Temos ainda situações de troca de receita que fazemos”, explica Ana Cristina.

 

Já a UBS 2 do Recanto das Emas começou apenas pela equipe Vermelha para analisar a adesão dos pacientes. De acordo com Kelly Lima, gerente da unidade, os pacientes elogiaram a iniciativa e tem se tornado a preferência de comunicação.

 

“Com essa experiência, queremos ampliar para as outras equipes. Isso facilitou o contato e vindas à unidade apenas para pegar uma informação ou os resultados de exames. Agora, já passamos pelo celular mesmo sem precisar vir pessoalmente”, afirma.

 

EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

REVISÃO: JULIANA SAMPAIO