Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/07/19 às 11h56 - Atualizado em 4/07/19 às 11h58

Vigilância Ambiental recebeu 824 pedidos de inspeção contra escorpiões desde janeiro

COMPARTILHAR

Recomendação é vedar portas, janelas e ralos para evitar a entrada do aracnídeo em casa

 

Foto: Breno Esaki/Saúde-DF

De janeiro a 1º de julho deste ano, a Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) da Secretaria de Saúde do Distrito Federal já recebeu 824 solicitações de inspeção devido à presença de escorpiões em residências. Para evitar acidentes, a área técnica da Saúde recomenda colocar rodos duplos de borracha nas portas, telas nos ralos e janelas e controlar a presença de baratas, principal alimento deste animal.

 

De acordo com o biólogo da Vigilância Ambiental, Israel Martins Moreira, para impedir que o aracnídeo povoe o quintal e busque abrigo dentro de casa, é preciso retirar entulhos, restos de material de construção e montes de lixo, que formam o ambiente ideal para o bicho se esconder.

 

No DF, a maioria dos acidentes é causada pelo escorpião amarelo, espécie conhecida como Tityus serrulatus. É bom lembrar que o animal gosta de locais escuros e úmidos, como caixas de esgoto, de eletricidade e até de linha telefônica, entre outros espaços.

 

Israel Moreira alerta que é necessário manter as instalações elétricas e luminárias bem encaixadas “para não funcionarem como porta de entrada do escorpião em casa, pois eles podem se esconder em tubulações e frestas”. Segundo ele, já existe um inseticida capaz de controlar o animal, embora não haja comprovação de que o produto seja realmente eficaz e ainda faz com que as pessoas negligenciem os cuidados preventivos por acharem que resolveram o problema.

 

Foto: Toninho Tavares/Arquivo-Agência Brasília

CUIDADOS – “É preciso, sempre, examinar sapatos, toalhas, roupas em geral e de cama, afastar camas e sofás das paredes, verificar móveis e compras em caixas fechadas, porque podem transportar um escorpião para dentro de casa”, insiste o biólogo. Por se tratar de um animal que se adapta facilmente, os acidentes podem ocorrer ao longo de todo o ano.

 

A Vigilância Ambiental é responsável por promover ações de controle e prevenção no Distrito Federal. Caso seja constatada a presença de escorpião dentro da residência, o serviço pode ser acionado por meio do número (61) 2017-1344 ou pelo Disque-Saúde 160.

 

Em caso de picada, o Centro de Informações Toxicológicas (CIT) está disponível nas 24 horas do dia para dar as primeiras orientações, por meio do telefone 0800 644-6774. Mesmo que a maioria dos acidentes com o animal peçonhento seja leve, a Secretaria de Saúde recomenda que a vítima procure a emergência dos hospitais ou uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

 

Locais do DF com soro antiescorpiônico, lembrando que, nem sempre, ele é necessário:

Hospital Regional de Ceilândia;

Hospital Regional de Brazlândia;

Hospital Regional de Sobradinho;

Hospital Regional da Asa Norte;

Hospital Regional de Taguatinga;

Hospital Regional de Santa Maria;

Hospital Regional do Paranoá;

Hospital Regional de Samambaia;

Hospital Regional do Guará;

Hospital Regional de Planaltina;

Hospital Regional do Gama;

Hospital Materno Infantil de Brasília.

 

 

 

 

 

Luciene de Assis, da Agência Saúde

Fotos: Breno Esaki/Saúde-DF e Toninho Tavares/Arquivo-Agência Brasília

Arte: Danielle Freire/Saúde-DF